sexta-feira, 31 de julho de 2015

Chapter 58

Diga que você está bem, lute contra a dor.
Tenho medo de que o amanhã esteja muito longe.”


Joe


Selena tremia, ainda abraçada a mim. Estávamos parados no meio da praia, vários curiosos estavam próximos a estrada, atrás da faixa de segurança que haviam colocado para que ninguém se aproximasse. Era incrível como as pessoas largavam o que estavam fazendo para ter o que fofocar no dia seguinte.
Senti uma mão no meu ombro, e assim que me virei, vi Dani parada do meu lado sorrindo fraco. Selena me soltou assim que a viu ali, e a abraçou. Eu nem sabia que elas se conheciam.


— Vocês não querem ver a Maddie? — Selena concordou voltando a me abraçar e eu apenas segui Dani. Assim que chegamos à frente de uma das ambulâncias — que estavam na estrada — um dos bombeiros pediu que eu entrasse antes, para que olhassem se eu estava com algum ferimento. Sel me soltou e fui com ele.
— A Maddie. Como ela tá? — por um segundo o homem que media minha pressão fez cara de confuso que logo sumiu.
— Ah. A menina. — assenti — Ela vai ficar bem. Sofreu alguns arranhões e está assustada, mas os outros enfermeiros estão com ela na outra ambulância. Estão a acalmando. — assenti o olhando tirar o aparelho do meu braço. Pegou uma daquelas lanterninhas do bolso e direcionou até meu olho — Você bateu em alguma coisa? — neguei com a cabeça. — Bem, parece que tá tudo bem com você. Vou pedir que depois vá até o hospital fazer alguns exames de reflexo, essas coisas.  — ele guardou a lanterninha no bolso novamente.
— A Demi? Conseguiram encontrar ela? — o bombeiro à minha frente respirou fundo — Eu tentei pegar as duas. Eu... — ele me cortou.
— Fica calmo. Você fez algo que nem meus melhores homens conseguiriam fazer em tão pouco tempo.
— Eu não posso ficar calmo sabendo que a deixei lá. — eu senti minha garganta arder, mas não podia chorar agora — Eu podia ter tirado ela. Se tivesse tentado mais um pouco.
— Você foi um herói de ter pegado a menina. — o homem forte e loiro disse apertando meu ombro direito e me encarando — Eles vão tirar a sua amiga de lá. Pode ter certeza. — assenti, e vi que Selena me olhava do lado de fora da ambulância. Olhei para o médico meio que pedindo permissão para sair e ele assentiu. Soltei um “Obrigado” baixo e desci do carro.
— A viu? — Selena assentiu. Ela abraçava os próprios braços.
— Ela tá bem. Está chorando ainda, mas os médicos estão conversando com ela. — assenti — Quer a ver? — assenti e vi que Selena iria voltar a chorar a qualquer momento. A puxei para perto de novo.
— Hey. Eles vão pegar ela. — disse tentando me convencer do mesmo — Os caras são bons. — ela concordou com o rosto ainda apoiado no meu peito. Eu conseguia imaginar que Selena estava sofrendo mais que qualquer um naquele momento. Beijei o topo de sua cabeça. Vi que alguém se aproximava correndo e levantei a cabeça vendo que era Nick. Um dos policiais ali correu atrás dele, mas eu fiz um movimento com a cabeça, mostrando que o conhecia.
— Desculpa não vir antes. — ele disse com a respiração fraca, mostrando que tinha corrido — Kevin ficou com Frankie em casa. Fui com meu pai até a casa da Demi. Amanda e Patrick estavam tentando acalmar Dianna para que os médicos da clínica pudessem a levar. — o encarei prestando atenção — Ela estava completamente fora de controle, Joe. Não consigo imaginar o que ela pode ter feito com a Demi. — Nick disse, os olhos mostrando que estava assustado.
— Eu imagino. — Selena sussurrou me soltando e secando o rosto. Eu e Nick a olhamos confusos. — Uma hora ou outra vocês vão saber. Não é algo que vá importar agora. — assenti junto com meu irmão.
— Eu vou ver a Madison. — falei e eles concordaram comigo. Reparei que Selena mantinha certa distância de Nicholas, mas decidi não tocar no assunto porque aquele não era o momento.


Quando entrei na ambulância vi Maddie sentada em uma das macas. Ela tinha apenas os olhos vermelhos, e tinha parado de chorar. O bracinho esquerdo estava enfaixado e estava preso no pescoço com outra faixa. E eles me disseram que eram só arranhões.


— Pequena. — disse e Maddie se virou para mim, deixando escapar um sorriso. Caminhei até ela e a abracei. A enfermeira que estava com ela na ambulância olhou para mim sorrindo e saiu, encostando a porta — Como você tá? — perguntei colocando o cabelo dela para trás. Madison tinha alguns arranhões na bochecha esquerda e outros no bracinho também esquerdo. Os cabelos ondulados estavam meio bagunçados e ela estava meio pálida. — Você não devia estar enrolada nisso aqui? — perguntei apontando para um edredom que estava na maca, do seu lado. Ela negou.
— Não gosto dele. Tem cheiro de remédio. — ri fraco, e o peguei colocando ao redor de Maddie que fez careta.
— Te prometo que assim que puder eu trago um bem cheirosinho pra você. — pisquei o olho e ela sorriu.
— Eu não quero, JJ. — ela disse fazendo bico.
— Você tem que ficar com ele. Ficou muito tempo na água fria, meu amor. — passei o polegar por sua bochecha que estava sem os machucados. — Promete que vai fazer uma forcinha? — ela assentiu.
—Joe? — ela me chamou, olhei para Maddie que agora estava com os olhinhos marejados — Cadê a Demi? Ela não saiu do carro? — senti minha garganta arder e meus olhos queimaram. Abaixei a cabeça tentando prender o choro. Como iria dizer a ela que não voltei para pegar a irmã? — Não chora, Joe. Ela vai ficar bem. Não vai? — olhei a garotinha sentada na maca que me olhava. Assenti pra ela que pegou na minha mão e deu um beijo delicado ali.


Foi quando ouvi barulhos altos e gritarias vindas do lado de fora. A porta da ambulância abriu e a enfermeira entrou indo até Maddie que estava tentando levantar para ver o que era. Olhei pra mulher que a segurava e ela assentiu, para que eu saísse. Vi a correria de bombeiros e vi que Selena chorava alto abraçada a Dani. Vi um dos bombeiros colocar um corpo sobre uma das macas e notei que era Demi.
— Demi! — Tentei correr até lá, mas outro bombeiro me puxou.

Selena


Assustei-me com a correria e vi que Joe tinha tentado se aproximar, sendo segurado por um dos médicos. Vi o corpo de Demi ser colocado numa das macas que foi apoiada na ambulância. Vi que ela tinha algo amarrado na testa e aquilo me preocupou.
Soltei-me de Dani e me aproximei, tomando cuidado para que nenhum dos enfermeiros achasse que eu estava tentando ultrapassar a distancia que nos era permitida. Fui para perto de Joe que discutia algo com o bombeiro que o segurava e apenas negava com a cabeça.


— O que aconteceu com ela? — cheguei a tempo de escutar ele perguntando.
— Ela engoliu muita água e pelo tempo que ficou na água fria o corpo perdeu a temperatura. — ele disse segurando Joe pelos ombros que parecia desesperado.
— E o que é aquilo na testa dela? — eu perguntei, apontando na direção em que vários enfermeiros estavam cercando a maca onde Demi estava. O médico abriu a boca, mas uma voz falou antes do outro lado.
— Não vai dar tempo de chegar ao hospital. — era uma mulher dizendo. Joe olhou desesperado para onde Demi estava e eu fiz o mesmo.
— Ela vai ficar bem. — O bombeiro disse.
— O que houve com a cabeça dela? — perguntei de novo.
— Ela bateu no carro. Acho que quando tentou sair. — Joe gemeu do meu lado e eu segurei sua mão.
— Foi minha culpa. Se eu tivesse tirado dela. — ele disse baixo, senti que prendia o choro.
— Vai ficar tudo bem. — eu disse. Joe se soltou de mim e tentou correr até Demi.
— Os batimentos — a mesma voz disse novamente, e eu tive vontade de socar aquela mulher. O bombeiro puxou Joe de lá, e o segurou dando tempo dos outros médicos empurrarem a maca de Demi para ambulância e fechar.
— Por que não me deixam ver ela? — ele gritou se debatendo, tentando se soltar do médico. Depois de algum tempo, vi Joe cair de joelhos no chão e corri até ele. Olhei para o bombeiro e mexi a cabeça dizendo que eu iria cuidar dele. Ele assentiu de volta e correu para ambulância que logo saiu. Abracei Joe que soluçava alto.
Olha pra mim... — prendi seu rosto entre minhas mãos o fazendo me encarar — Ela vai ficar bem. Ela sempre fica. A Demi é a pessoa mais forte que eu conheci em toda minha vida. — Joe assentiu e se encolheu. O puxei novamente o abraçando. As roupas dele estavam molhadas ainda, e ele acabaria ficando doente — Vamos para casa. Você troca de roupa e nós corremos para o hospital.
— Eu quero ver ela. — ele disse. O choro cessando.
— Joe, você não vai ajudar em nada pegando uma gripe. A gente não pode fazer nada agora no hospital. Eles vão cuidar dela. — ele levou um tempo pensando, mas acabou assentindo. Levantamo-nos e escutei Nick se aproximando.
— Dani foi com a Maddie para o hospital. — ele disse e eu assenti.
— Tá de carro, Nick? — ele assentiu — Tem como levar a gente para casa? Joe tem que trocar de roupa. — ele concordou. No final Nick disse que minha mãe tinha ido para o hospital para ficar com Demi, e que o pai deles iria levar o carro de Joe para casa.
O caminho havia sido silencioso, nenhum dois três quis conversar. Assim que Nick estacionou na frente de sua casa, entramos e Joe subiu para tomar banho, Nick foi até a cozinha fazer algo para Joe comer, já que não tinha comido nada desde cedo. Sentei-me num dos sofás na sala e peguei o telefone para telefonar para minha mãe.


— Selena. — escutei ela dizer do outro lado da linha.
— Oi. Como estão as coisas aí? — escutei minha mãe suspirar.
— Cheguei aqui e tinham levado Demi para a sala de raio x. Por ela ter batido a cabeça. — senti meus olhos se encherem de lágrimas — Ela vai ficar bem, Sel.
— Eu sei que vai. — passei a mão nas bochechas as secando — Maddie?
— Decidiram trazer ela também. Ela não parava de chorar e não queria tomar os remédios. Eu tive que ir lá e conversar com ela. Tá tudo bem agora. — soltei uma bufada de ar. Madison era tão pequena e já tinha que passar por tudo aquilo. — Como tá o Joe? — minha mãe perguntou.
— Ele foi tomar banho, e trocar de roupa. Nick foi fazer alguma coisa para ele comer. — escutei algumas vozes.
— Eu vou lá, Sel. Vou ver a Maddie.
— Tudo bem. Só vamos esperar Joe e já vamos para aí. — me despedi de minha mãe e desliguei o celular. Olhei a hora e iriam dar 19.


Hey, pessoal! Aqui é a Polly, e antes de tudo, queria pedir mil desculpas para vocês.
Sei que a gente ta vacilando muito com o lance de demorar a postar, mas é porque as coisas não estão fáceis. Eu termino a escola este ano, a Du também tem as coisas dela pra resolver e o último mês foi terrível pra mim já que fiquei doente e tudo mais.
Eu espero que vocês não fiquem muito chateadas com isso, mas é que realmente ta díficil </3. Nós amamos vocês, amamos o blog e estamos fazendo de tudo pra manter ele (mesmo que postando muito raramente).
Esperamos que gostem deste capítulo. Não respondi os comentários pq muito tempo então :(
Lemos todos eles e agradecemos por não desistirem da gente.
Beijos, e até a próxima!

@DudaMarquesR @Polly_Cruz98